quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

SECRETARIA NACIONAL DA JUVENTUDE DIALOGA COM NOVOS PREFEITOS SOBRE PLANO JUVENTUDE VIVA

quarta-feira, 30 de janeiro de 2013
Em oficina de evento oficial de Brasília, gestores municipais entendem como pactuar com o governo para implementar o Plano de forma independente em suas cidades



O Encontro Nacional com Novos Prefeitos e Prefeitas, que está acontecendo em Brasília desde o dia 28 e termina hoje, apresentou aos novos gestores municipais os programas do Governo Federal que têm reflexo direto nas Prefeituras. Entre a programação de capacitação do evento, a Oficina “Juventude Viva”, realizada pela Secretaria Nacional de Juventude, vinculada à Secretaria-Geral da Presidência da República, e a Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Seppir), abordou o Plano de Prevenção à Violência contra a Juventude Negra, denominado Juventude Viva, que tem como objetivo reunir ações de prevenção , reduzindo a vulnerabilidade dos jovens a situações de violência física e simbólica. Os palestrantes narraram aos presentes o diagnóstico, as estratégias e as formas de implementação da iniciativa, além de esclarecer dúvidas e dialogar sobre a criação e desenvolvimento do Plano na prática, conforme os contextos locais que cada gestor enfrenta.
Gilberto Carvalho, ministro da Secretaria-Geral, iniciou as falas destacando duas características principais do Plano. A primeira, quanto ao conteúdo: “é alarmante o número de jovens vítimas da violência, particularmente a juventude negra. Nós estamos tristes, abalados, com as mortes em Santa Maria, [...], mas não podemos esquecer,  como disse a Luísa Barros ontem, que, a rigor, cada semana no Brasil é como se a gente queimasse mais que uma boate daquela. [...] Pode parecer fantasia, mas é real. E a gente não sente tanta dor, porque infelizmente a gente vai se familiarizando terrivelmente com esses dados, e por ser em geral a juventude pobre e negra parece que diminui ainda mais a sensibilidade da sociedade”. A segunda, com relação ao método, que de forma inovadora entre as políticas públicas, envolve vários Ministérios - Saúde, Justiça, Educação, Esporte e Direitos Humanos, entre outros. E é exatamente por isso que “não há nenhuma possibilidade de acontecer sem os estados e municípios”, atentou...


É parte essencial do Programa criar oportunidades para que os próprios jovens criem suas atividades de deconstrução da cultura de violência. “Para que seja oferecido um serviço que ele necessita”, reflete Ana Rita de Castro, professora, ativista do movimento jovem e feminino, agora secretária de Políticas de Promoção da Igualdade Racial de Goiânia. Ela afirma que já viu chacinas em seu próprio bairro e imagina para seu município uma ação forte de inclusão digital.


O Programa, então, não é um pacote fixo para ser imposto a qualquer cidade. A ideia é cada vez mais incorporar, na prática, as demandas, explica Fernanda Papa, coordenadora do Programa. Os convênios e cronogramas de planejamento estão começando a ser fechados e já há novas ideias surgindo - de “caravanas culturais”, por exemplo, um ônibus-palco. Para os representantes que ali estavam. É uma “oportunidade histórica”, realizado a partir de um “esforço inédito do conjunto do governo e da sociedade”. 

Fonte: Fora do Eixo

 

0 comentários:

 
BLOG TAMOIOS URGENTE ◄Design by Pocket, BlogBulk Blogger Templates ► Distribuído por Templates